E a vida continua

1
Apesar da minha descontração de ontem por ser o dia dedicado as mães, minha preocupação continua em relação as chuvas...
Voltei para minha casa(estava alojada na casa do meu irmão André), mas as minhas coisas continuam todas trepadas em lugares altos. Em baixo, só o necessário para o dia a dia...
Dessa vez tive muita sorte da enchente ter parado na esquina de minha casa. Sabemos que o inverno ainda não começou e viveremos em alerta até o verão chegar...
A farmácia já está funcionando na medida do possível, só com os medicamentos mais necessários. Ainda estamos com muita coisa embalada e em lugar de segurança. O que não podemos é ser pegados de repente por uma nova enchente.

Lembrando agora de um episódio que aconteceu sexta feira: Estávamos limpando a Farmácia e tentando colocar os remédios nas prateleiras, quando alguém bateu na porta desesperadamente. Tivemos até medo de que fosse um aviso sério de alerta... mas não, era uma p.... de uma mulher querendo entrar para se pesar! Ainda insistiu querendo que a gente colocasse a balança pra ela! 
Quem sabia onde danado a balança foi parar numa loucura de tentar salvar na enchente?

Ai que raiva dessa imbecil que nem se toca nessas horas... 


Outra coisa engraçada é que abandonaram um gatinho numa caixa de sapatos, só a cabecinha de fora... mas esse ai teve mais sorte e encontrou um dono ligeirinho...



1 comentários:

Cacá - José Cláudio disse... [Responder Comentário]

Oi, Teresa! Como tem extraterestre no meio de nós, não? Abraços e desejos de que tudo se encaminhe o melhor possivel por ai. Paz e bem.